O Corte

Fotografias, 2014/2016. – Dimensões Variáveis

Exposição coletiva Mostra Bienal Caixa Novos Artistas. Caixa Cultural. Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, Brasília, Curitiba e Salvador 2017/2018. 

Curadoria: Liliana Magalhães

 

O CORTE  – Uma intervenção no corpo, trata sobre as intervenções sociais que afetam o corpo da mulher na contemporaneidade, muitas vezes idealizado como sexual, provocante e esbelto. A pesquisa trata dos atravessamentos que levaram a artista a mesa de corte para colocada e posterior retirada de próteses de silicone nos seios. As próteses são frequentemente usadas como suporte no trabalho. Utilizando mídias como fotografia, vídeo, instalação e performance, a prótese de silicone tem seu protagonismo, ora como objeto, ora revestida pela pele que a cobre. O olhar sobre o peito, a prótese, ganham diferentes nuances para pensar sobre o que te afeta, o que te atravessa, o que é belo e sobre a cultura na qual estamos inseridos. O trabalho questiona sobre o que se busca quando se altera a casca do corpo. Joana Bueno buscou agradar o outro e acabou por perceber que se desagradava. Esse reconhecimento a levou a refletir sobre o belo, o afeto, a mulher, a violência muitas vezes silenciosa, a relação com o corpo e seus atravessamentos. O belo sempre permeou a história da arte, o tido bonito historicamente sempre convidou aos olhos. A beleza mesmo mudando seus padrões ao longo das décadas continua sendo fortemente valorizada. O corpo da mulher na sociedade de hoje é vendido como belo se for sexual, provocante, esbelto e ainda hoje estamos mais preocupados com o que o outro pensa sobre o seu corpo do que nós mesmos. O CORTE – Uma intervenção no corpo, tem seu protagonismo na prótese, no peito, no feminino, na mulher atual, contemporânea, partindo do princípio que todo corpo é portador de história, cultura e singularidade.